Mercado & Consumo

11 Nov 2016

Panorama de preço e vendas dos materiais de construção em 2016

O preço dos materiais de construção é um importante indicador para o mercado da construção, pois é através da sua variação que consegue-se identificar se o setor está aquecido ou em baixa. É difícil conseguir um índice que resuma as alterações nacionais, uma vez que a procura por determinados materiais tem grande influência da realidade da região. Porém, o Ibre/FGV realiza uma pesquisa todos os meses para divulgar o INCC - ou Índice Nacional dos Custos da Construção. Este índice mede a variação dos preços de materiais de construção, mão de obra e matéria prima - e é muito utilizado para ajustar preços nos contratos de compra e venda de imóveis.

A Abramat - Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção também esforça-se para oferecer panoramas sobre materiais de construção, especialmente através do índice Abramat. O acumulado do ano, até outubro, demonstra que a fabricação de materiais de construção está em queda - assim como os empregos do setor. O faturamento deflacionado das indústrias de materiais de construção acumula -11,8%, enquanto o emprego gerado por esta indústria acumula -9,7%.


"O mercado de materiais de construção continua em queda tanto no varejo, como nas construtoras. No varejo devido ao alto índice de desemprego, queda na renda e dificuldades de se obter crédito. No mercado das construtoras, em função da forte queda no financiamento imobiliário, baixo desempenho das obras de infraestrutura, bem como a redução do programa MCMV", explica Walter Cover, presidente da Abramat.

Para facilitar a elaboração do orçamento de obra e a cotação dos preços, existem tabelas de preço que permitem a análise nacional ou regional de praticamente todos os materiais necessários para construção. As tabelas de preço mais conhecidas são SINAPI da Caixa Econômica Federal e a TCPO da Revista PINI.

O SINAPI -Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil, produz índices de referência para cálculo de obras e materiais de construção. Essas informações reunidas são popularmente conhecidas como "tabela do SINAPI". O SINAPI é coordenado pelo IBGE e pela Caixa, que todo mês atualizam índices da construção civil a partir do levantamento de preços de materiais e salários pagos na construção civil.

A base de dados TCPO - Tabela de Composições e Preços para Orçamentos é organizada pela PINI, e é muito utilizada para cotação de custos. Essa tabela tem origem em preços de serviços que eram publicados na revista "A Construção" em São Paulo. Na TCPO é possível encontrar mais de 8.500 composições de Serviços, Preços de Referência e outras informações que podem ser utilizadas por engenheiros, arquitetos, construtores, orçamentistas, empreiteiros e outros profissionais da construção.


Pensando ainda na realidade do mercado de materiais de construção em 2016, o mês de novembro promete ser de melhoras. Historicamente, o final do ano é um bom período de vendas de materiais, pois muitas pessoas aguardam o 13º salário para fazer pequenas reformas ou iniciar obras. Pesquisas apontam que as vendas de tintas e revestimentos cerâmicos já apresentam aumento no Sul e Sudeste do país.

Além disso, o presidente Michel Temer anunciou uma medida de incentivo ao crédito para compra de materiais de construção, o Cartão Reforma. Esse programa do governo deve oferecer uma linha de crédito de até R$5 mil reais para reformas. Também está previsto um plano para regularização de construções já existentes. Tudo isso deve movimentar o mercado de materiais de construção. A indústria da construção finalmente dá sinais de que deve começar a se recuperar.

Para saber mais sobre os vários aspectos da indústria de materiais de construção e também mais informações sobre as principais lojas, usos e como fazer orçamentos, acesse: http://sienge.com.br/material-de-construcao/

(Fonte: Terra)

Carrinho de ComprasCarrinho de Compras: 0 item(s)